Seja Bem Vindo!!!

Graça e Paz, Queridos!!!

Nosso Blog foi criado com a finalidade de Exaltar e Glorificar o Nome de JESUS, o único que é digno de toda Honra, toda a Glória e Louvor.

"A Fonte de Água Viva" é uma obra virtual edificada pelo Espírito de DEUS, e direcionado a todo aqueles que tem fome e sede de conhecimento de SUA palavra.

Desejo que ao acessar estas páginas, seja despertado em seu coração o desejo de santificação, o desejo da busca pelo Espírito Santo, pela Verdade que Liberta e Sara, e para que você possa vivenciar uma verdadeira comunhão com o Senhor DEUS, e assim usufluir de toda a sorte de bençãos que são prometidas para nossas vidas!!!



Um grande abraço!!!

Pastor Gilberto Pratas


domingo, 8 de abril de 2012

Pastor Gilberto Pratas: O Perigo das Tentações

TEXTO BASE: I TESSALONICENSES 3:5

Todo dia enfrentamos guerras espirituais. O encardido tenta trazer, brigas, contendas, desavenças, sofrimentos e outras situações terríveis para nossas vidas. É neste momento que temos de vigiar para não cair no laço do inimigo.

Vivemos hoje numa sociedade onde os valores estão cada vez mais distorcidos, o índice de violência cresce, a pornografia, o homossexualismo tornou-se algo comum, enfim, está ocorrendo uma banalização da imoralidade. Tudo isso depõe contra os princípios bíblicos e faz com que o cristão faça parte deste quadro de horror. É diante deste quadro que o cristão enfrenta um dos maiores gigantes em sua trajetória para a salvação. E esse gigante tem um nome: TENTAÇÃO.

Muitos acreditam que as tentações e as provas com o mal vêm de Deus, isto é, que Deus traz o mal em nossa vida para nos tornar melhores. Porém eu vos digo: isto é mentira do diabo, pois o responsável por todas as tentações direta ou indiretamente não é Deus e sim o encardido.

Paulo estava preocupado que o Tentador tentasse os fieis da igreja dos tessalonicenses e que o trabalho que ele havia realizado tivesse sido inútil, pois sabia o perigo que eles corriam se não resistissem às investidas do inimigo. Ele conhecia a história dos judeus e sabia que o povo da promessa havia sucumbido a tentação ao ignorar seu comprometimento com Deus e isso se deu por causa da idolatria e da murmuração.

Este alerta serve para nós também, pois precisamos permanecer firmes e resistentes a todas tentações de imitar os desobedientes. Uma coisa é certa: os verdadeiros cristãos sempre terão lutas e vitórias, vitórias e mais lutas sem nunca desviar da fé em Nosso Senhor Jesus Cristo.

Satanás não quer nos ver vitoriosos e por isso ele coloca em nossos caminhos armadilhas cujo propósito e nos prejudicar. Sempre foi assim e sempre será assim, quanto maior for nossas lutas maior será a nossa vitória. Mas só desfrutarão das vitórias aqueles que não se intimidar nem se acovardar diante das provas. Ele tenta, tenta, e quando vê que não vai dar certo as estratégias usadas ele dá meia volta e vai embora, fugindo de todos os que estão bem posicionados.

Uma coisa eu posso dizer a vocês: Satanás é previsível, isto é, ele tem usado as mesmas estratégias desde a criação do mundo. O seu agir é sempre o mesmo. Então como ele age?

O primeiro passo é identificar um desejo dentro de você. Esse desejo pode ser qualquer coisa. Então ele sugere que você realize esse desejo de forma errada. Essa estratégia ele usou com Cristo quando teve fome no deserto.

O segundo passo é faze você duvidar da Palavra de Deus. Foi o que ele fez com Eva no Éden. Ele tentou questionar as afirmações de Deus.

O terceiro passo é o engano. Ele tentará te enganar. Apesar de ser o pai da mentira Satanás não mente descaradamente, ele sempre emprega meias verdades. Foi essa a forma com que ele argumentou com Eva e com Cristo.

O quarto passo é a desobediência. A pessoa fica tão convencida com as mentiras do maligno que se entrega cegamente a prática do pecado justificando seu erro e muitas vezes levando outras pessoas a cometer o mesmo desatino. Lembre do que aconteceu com Eva e Adão.

Graças a Deus somos alertados todos os dias para não cairmos nas ciladas de Satanás. Porém, muitas pessoas são seduzidas sem perceber que estão se desviando dos caminhos de Cristo Jesus. A chave para vencer a tentação é saber de onde ela vem, pois qualquer que seja a tentação ela tem somente duas origens: o diabo, e nossos desejos.

No primeiro caso a Palavra é clara quando diz: Resisti ao diabo e ele fugirá de vós. A maneira mais eficiente de falar com o diabo não é com a boca e sim com os pés – fuja de todo desejo maligno – rompa com todo canal de tentação.

No segundo caso olhe para dentro de você: observe que você nasceu duas vezes. Primeiro você nasceu da terra (através de seus pais), depois você nasceu do céu. Esse segundo nascimento vem do Espírito Santo e da Semente que é a Palavra de Deus. Cristo nos disse que o nascido de Deus vence o mundo. A arma que vence o mundo é a nossa fé. Somente aquele que crê que Cristo Jesus é o filho de Deus vence o mundo. Lembre-se Jesus não resistiu ao diabo usando o seu poder miraculoso ou invocando uma revelação especial, antes Ele se manteve firme abraçado a Palavra de Deus.

Então se permitirmos que a Palavra de Deus habite em nós, seremos fortalecidos em nosso homem interior com poder suficiente para vencer o encardido e todas as suas tentações.

Lembro-me neste momento de uma história que vem bem a calhar com o que estamos pregando. Existia um senhor dono de uma grande propriedade (centenas de alqueires). Esse homem queria vender essa propriedade por uma ninharia. O valor era muito pequeno, mas tinha uma condição: que o comprador deixasse no meio da propriedade um alqueire no nome do antigo dono. Alguém comprou essa propriedade e depois do negocio fechado, documentos passados, o novo proprietário descobre que por força de lei ele tem de permitir que o antigo proprietário corte uma estrada através de sua propriedade para chegar a dele. Então sua grande propriedade é cortada ao meio pela estrada do antigo proprietário.

Isso acontece na vida de muitos convertidos com respeito as tentações. A pessoa sai das mãos de satanás e entra nas de Cristo só que deixa o inimigo continuar com um pedacinho no meio de seus corações. Então ele, o encardido, começa com um pequeno trilho, depois vira uma estrada e por fim uma pista dupla, até tomar posse de todo o coração da pessoa.

Não permita que isso aconteça com você. Lembre-se que o escape não nos é dado pela ausência de tentações. O escape só aparece através da resistência ao diabo e da persistência em permanecer nos caminhos de Cristo. Pois Ele é o escape que o Deus fiel provê para podermos vencer esse gigante chamado Tentação.



Amém.

Pregação realizada na 17ª IEQ
Cascavel, 22.03.2012.

terça-feira, 6 de março de 2012

Pastor Gilberto Pratas: A Chave da Vitória

TEXTO BASE: ISAIAS 22:22

É comum em nossas vidas encontrarmos dificuldades para entender os propósitos de Deus, principalmente quando as circunstancias ao nosso redor são desfavoráveis e tudo começa a dar errado. Esperar em Deus torna-se, muitas vezes, uma tortura emocional e espiritual porque queremos a vitória de imediato e não estamos acostumados com adversidades e tribulações. Esquecemos que todos as coisas estão sob o comando de Deus e que devemos crer na sua solução e perseverar n’Ele mesmo porque Deus tem diferentes formas de se manifestar na nossa história e o que para nós é um grande problema para Ele nada significa, uma vez que para Deus não existe coisa grande demais ou pequena demais que não possam ser resolvidas.

Nesta noite eu quero apresentar a vocês que estão me ouvindo um único caminho para conquistar a vitória em qualquer circunstância. O nosso texto base fala:

E porei a chave da casa de Davi sobre o seu ombro, e abrirá, e ninguém fechará; e fechará, e ninguém abrirá (Isaías 22:22).

Qual é a chave que abrirá todas as portas? Para responder esta pergunta vamos recorrer a Evangelho segundo Mateus em seu capítulo dezesseis quando Jesus interrogou os seus discípulos, dizendo: Quem dizem os homens ser o Filho do homem? (Mateus 16:13). Ao que lhes responderam: uns dizem que é João Batista; outros Elias; outros Jeremias ou alguns dos profetas. Mas vós, perguntou-lhes Jesus, quem dizeis que eu sou? Nenhum dos doze tirava os olhos do Mestre e, então, Simão Pedro, colocando-se de pé bruscamente, exclamou: Tu és o Cristo, o Filho do Deus vivo.

Após essa declaração de Pedro, dizendo que Cristo era o “ungido” que Ele é o Messias de Deus enviado, o representante único do grande Eu Sou e que tem nas mãos todo o Poder do Pai.

A partir desse ponto aparece na narrativa dois símbolos relacionados: as chaves e a pedra. Jesus declara que sobre essa pedra (declaração de Pedro) Ele edificará sua igreja e que as portas do inferno não prevalecerão contra ela. E vai além dizendo: E eu te darei as chaves do reino dos céus; e tudo o que ligares na terra será ligado nos céus, e tudo o que desligares na terra será desligado nos céus (Mateus 16:19).

A grande verdade em tudo isso é que Jesus veio a terra com um propósito: salvar a humanidade e para isso era necessário anunciar aos pecadores o Reino de Deus para que nós conheçamos os mistérios do Reino. Por isso que sua principal mensagem no inicio de seu ministério era o arrependimento, por que o Reino de Deus está próximo. Ele não pregava um reino com aparência visível, mas afirmava: Porque o reino de Deus está dentro de vós. A Palavra Sagrada confirma esse fato:

Não temais, ó pequeno rebanho, porque a vosso Pai agradou dar-vos o reino (Lucas 12:32).

E ele disse: A vós vos é dado conhecer os mistérios do reino de Deus, mas aos outros por parábolas, para que vendo, não vejam, e ouvindo, não entendam (Lucas 8:10).

O Reino de Deus foi dado a poucos (pequeno rebanho), isto porque muitos são aqueles que se desviam e entram pela porta larga. A chave da vitória é dada somente àqueles que aceitaram e conhecem a Cristo Jesus.

Quando Cristo disse que o Reino de Deus é tomado por esforço e que só os valentes tomam posse dele, Ele queria dizer que os “crentes” indolentes, preguiçosos e acomodados ficam de fora, isto porque ficam na expectativa de sentir a fé, mas a fé não faz parte da alma e sim do espírito. A fé se firma na Palavra de Deus com inteligência, não com sentimento nem com emoções, e quem ficar esperando sentir fé para tomar atitude morrerá esperando. Isto fica muito claro quando Jesus fez o milagre da multiplicação dos pães. Nesta ocasião os discípulos estavam ansiosos que Jesus dispensasse a multidão e diziam: O lugar é deserto, e a hora é já avançada; despede a multidão, para que vão pelas aldeias, e comprem comida para si. Jesus respondeu-lhes:

Não é mister que vão; dai-lhes vós de comer. Então eles lhe disseram: Não temos aqui senão cinco pães e dois peixes. E ele disse: Trazei-mos aqui. E, tendo mandado que a multidão se assentasse sobre a erva, tomou os cinco pães e os dois peixes, e, erguendo os olhos ao céu, os abençoou, e, partindo os pães, deu-os aos discípulos, e os discípulos à multidão. E comeram todos, e saciaram-se; e levantaram dos pedaços, que sobejaram, doze alcofas cheias. E os que comeram foram quase cinco mil homens, além das mulheres e crianças (Mateus 14:16-21).

Jesus estava testando os seus discípulos para ver se eles tinham aprendido os seus ensinamentos. Infelizmente eles não tinham aprendido, embora o Mestre dos Mestres os estava ensinando. Faltava algo para eles: A chave. Eles ainda não tinham tomado posse da chave.

Em nossos dias muitas pessoas se portam da mesma forma, conhecem a Palavra, sabem o caminho, mas ainda não tomaram posse da chave. Para tomar posse da chave quero lhes mostrar sete princípios fundamentais da chave da vitória.

● Chave da Autoridade. Autoridade significa o direito e a capacidade de comandar, fazer leis, exigir obediência e julgar. Em outras palavras, a nossa autoridade é o fundamento ou o padrão que temos para distinguir o certo do errado. Em todas as áreas, tem que haver um padrão de autoridade.

Jesus falou que daria as Chaves do Reino para nós e que as portas que fossem abertas ninguém fechará; e as que fecharem ninguém abrirá. Em outras palavras Ele quis dizer que o inimigo somente entrará em sua casa se você der a ele a chave da sua casa.

Deus deu toda a autoridade a seu Filho, Jesus Cristo. Jesus apresentou as credenciais que provavam que sua autoridade não era apenas uma alegação infundada; ele tem de fato toda a autoridade. Seus maravilhosos ensinos, seu caráter, seus milagres, as profecias detalhadas que ele cumpriu e, acima de tudo, a sua ressurreição provam a afirmação de Jesus, de que ele é a autoridade absoluta.

● Chave do Acesso. Neste princípio, como o nome já diz é necessário ter acesso. Ter acesso a que ou a quem? Acesso à autoridade absoluta. No livro de Reis encontramos uma passagem que deixa claro esse princípio: E o servo do homem de Deus se levantou muito cedo e saiu, e eis que um exército tinha cercado a cidade com cavalos e carros; então o seu servo lhe disse: Ai, meu senhor! Que faremos?
 
E ele disse: Não temas; porque mais são os que estão conosco do que os que estão com eles. E orou Eliseu, e disse: SENHOR, peço-te que lhe abras os olhos, para que veja. E o SENHOR abriu os olhos do moço, e viu; e eis que o monte estava cheio de cavalos e carros de fogo, em redor de Eliseu (II Reis 6:15-17).

Observe que Geazi não tinha acesso a chave e quando não temos acesso a ela tememos, pois olhamos as circunstancias e nos influenciamos por ela. Porém, Eliseu tinha acesso, orou e os olhos do seu servo se abriram e ele viu o sobrenatural. Quando temos acesso a autoridade absoluta todas as portas são escancaradas para entrarmos ou sairmos ilesos em qualquer circunstancia e colocar por terra toda obra do inimigo.

● Chave da Posse. Significa estar firme, assentado. Indica, portanto, um poder que se prende a uma coisa. A posse consiste numa relação de pessoa e coisa, fundada na vontade do possuidor, criando mera relação de fato, é a exteriorização do direito de propriedade. Que maravilha!!! Esse principio nos dá a certeza de que tudo aquilo que nos foi dado por herança pelo Pai é nosso, basta tão somente que tomemos a posse. Veja o que nos diz a Palavra de Deus em Hebreus:

Portanto nós também, pois que estamos rodeados de uma tão grande nuvem de testemunhas, deixemos todo o embaraço, e o pecado que tão de perto nos rodeia, e corramos com paciência a carreira que nos está proposta, Olhando para Jesus, autor e consumador da fé, o qual, pelo gozo que lhe estava proposto, suportou a cruz, desprezando a afronta, e assentou-se à destra do trono de Deus. Considerai, pois, aquele que suportou tais contradições dos pecadores contra si mesmo, para que não enfraqueçais, desfalecendo em vossos ânimos (Hebreus 12:1-3).

Correr a carreira com perseverança, só é possível se estivermos debaixo de unção. Unção que faz o fluir de Deus acontecer em nossas vidas, fazendo toda a diferença em nosso viver. Em todos os momentos e situações.

Debaixo da unção somos capazes de enfrentar toda e qualquer adversidade, situação, conflito. A unção fará a árvore frutificar novamente. A unção nos faz vencer barreiras, subir como ramos firmados pelo braço forte do Senhor. Aleluia!

A unção nos faz pessoas ousadas, que marcham rumo à vitória. Deus nos unge e ordena: ande! A carreira nos está proposta, devemos correr com perseverança, olhando firmemente para Jesus, e precisamos de revestimento que só é possível através do Espírito de Deus que nos renova em unção. Marche com atitude de vencedor.

● Chave do Controle. Nossa mente é a base do nosso livre arbítrio. Deus, quando criou a cada um de nós, colocou o livre arbítrio, ou livre escolha. Até mesmo a decisão de aceitar ou não Jesus em nossas vidas como Senhor e Salvador depende de nós, não de Deus. Jesus nos diz que a opção de crer ou não crer pertence a nós (Marcos 16:16). Ninguém é forçado a crer em nada. A iniciativa de crer tem que partir de cada ser humano. E assim é também no que se diz respeito a buscar a Deus e ter comunhão com Ele. Somos nós que exercemos o controle sobre nossa mente. Veja o que a Palavra de Deus nos fala no livro de Reis:

Porém ela disse: Vive o SENHOR teu Deus, que nem um bolo tenho, senão somente um punhado de farinha numa panela, e um pouco de azeite numa botija; e vês aqui apanhei dois cavacos, e vou prepará-lo para mim e para o meu filho, para que o comamos, e morramos. E Elias lhe disse: Não temas; vai, faze conforme à tua palavra; porém faze dele primeiro para mim um bolo pequeno, e traze-mo aqui; depois farás para ti e para teu filho. Porque assim diz o SENHOR Deus de Israel: A farinha da panela não se acabará, e o azeite da botija não faltará até ao dia em que o SENHOR dê chuva sobre a terra. E ela foi e fez conforme a palavra de Elias; e assim comeu ela, e ele, e a sua casa muitos dias. Da panela a farinha não se acabou, e da botija o azeite não faltou; conforme a palavra do SENHOR, que ele falara pelo ministério de Elias (I Reis 17:12-16).

Elias tinha a chave do controle. A palavra chave aqui é não temas. Se conhecemos a Deus, temos intimidade com Ele, então conhecemos a Sua vontade e nosso agir será de acordo com a vontade de Deus. Nosso viver é Cristo, nossa mente é Cristo, nossos desejos são os desejos de Cristo. A mente está totalmente voltada para Cristo.

Ter a mente de Cristo significa estar em contato com a realidade e identidade de Cristo em qualquer momento de nossa viva, com isso passamos a experimentar, ver e viver a vida de Cristo. Isso nos leva a pensar, sentir e agir em todos os momentos da mesma forma que Ele pensa, sente e age. Com isso passamos a usufruir a Palavra que Ele disse:

Como tu, Pai, estás em mim e eu em ti, que eles estejam em nós, para que o mundo creia que tu me enviaste (Jo 17:21).

● Chave da Autorização. Para que alguém possa falar em nome de Cristo Jesus é necessário que tenha autorização para tal. A chave dessa autorização nos é dada por Cristo quando Ele se compromete por escrito em fazer tudo quanto pedirmos em oração ao Pai em seu nome.

Na verdade, na verdade vos digo que aquele que crê em mim também fará as obras que eu faço, e as fará maiores do que estas, porque eu vou para meu Pai. E tudo quanto pedirdes em meu nome eu o farei, para que o Pai seja glorificado no Filho. Se pedirdes alguma coisa em meu nome, eu o farei (João 14:12-14).

Essa autorização de Cristo em que Ele se compromete a fazer tudo o que pedirmos ao Pai em seu Nome induz muitas pessoas pensar que podem pedir tudo que Cristo é obrigado a fazer. Ledo engano. O que deve ser evidenciado é a idéia que está sendo exposta: Jesus disse: Tudo farei para que o Pai no filho seja glorificado. Então tudo que pedirmos para a gloria de Deus Jesus se compromete em fazer. Isto quer dizer que não é tudo quanto o homem pedir, mas sim, tudo o que o homem pedir para a gloria de Deus.

Temos sim uma autorização por escrito de Nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo para falarmos em Seu nome principalmente quando o foco dos nossos esforços é na edificação do povo d’Ele e do Seu reino e na sua vontade.

Cristo vai além da autorização quando no diz: Vós fareis as obras que Eu realizo; e fareis obras maiores do que estas. Ele deseja os frutos do Evangelho e não os barulhos do mundo. Isso fica provado quando constatamos que Ele tem feito mais por meio dos Seus servidores do que por Si mesmo.

● Chave do Poder. Poder é o direito de deliberar, agir e mandar, isto é, a faculdade de exercer a autoridade. Um fator determinante na vida do homem é a visão. É necessário que ele tenha uma visão clara de quem é Deus. Sem essa visão clara a vida do homem se torna sem propositos. E quando falamos em visão não estamos falando de conhecimento, pois o conhecimento nãor trás visão. A visão clara de Deus vem da experiência. Muitos tem conhecimento mas não tem experiência e sem ela não podemos ter uma visão clara de quem Deus é realmente...

Depois de tudo o que falou e fez entre os gentios, Cristo queria colher a consciência popular sobre o que as pessoas dizem da sua pessoa:

E, chegando Jesus às partes de Cesaréia de Filipe, interrogou os seus discípulos, dizendo: Quem dizem os homens ser o Filho do homem? (Mateus 16:13).

Entre todas as respostas dadas por seus discípulos a afirmativa de Pedro: Tu és o Cristo, o Filho de Deus Vivo! Trouxe luz a um mistério oculto quando Jesus afirmou que tal confissão é uma revelação divina. A revelação que vem dos céus não é segundo os homens e nem se dá via aprendizagem natural.

Após esta afirmação de Pedro, Jesus afirmou: Tu és Pedro e sobre esta pedra edificarei a minha igreja...

Que Pedra é essa?

A pedra é Cristo. É do nosso conhecimento que o termo pedra ou rocha foi usado no V.T. para Deus. O Messias é descrito em Isaías 28:16 como uma pedra, pedra já provada, pedra preciosa, angular, solidamente assentada. Jesus foi a Pedra rejeitada pelos judeus, Isaías 8:14: Então Ele... Pedra de tropeço, e de Rocha de escândalo... Mateus 21:42; A Pedra... rejeitaram, essa foi posta por cabeça de ângulo... Atos 4:11; Jesus Cristo é a principal Pedra de esquina... cabeça da igreja. Em toda a Bíblia, a Pedra é identificada a JESUS CRISTO, a Rocha Eterna, o filho de Deus. Como Cristo é a Pedra, a Rocha Eterna Ele entregou as chaves que abrem e fecham a Casa de Deus, ligam os homens à Igreja, ou dela os desligam.

Pois também eu te digo que tu és Pedro, e sobre esta pedra edificarei a minha igreja, e as portas do inferno não prevalecerão contra ela; E eu te darei as chaves do reino dos céus; e tudo o que ligares na terra será ligado nos céus, e tudo o que desligares na terra será desligado nos céus (Mateus 16:18-19).

Estas chaves (Poder) são os princípios dos Evangelhos, a condição da Salvação, aceita ou rejeitada pelos homens. Pedro abriu, com a chave da Palavra de Deus, as portas do Reino dos Céus a três mil pessoas que se converteram. Atos 2:14-41. Mas, Este privilégio não foi concedido somente a Pedro, e sim a todos os discípulos de Cristo. (Mateus 18:18). Estas chaves simbolizam a autoridade que Jesus confiou a Sua igreja para agir em Seu nome. Indicam as Escrituras onde Deus expõe o plano da salvação.

● Princípio da Liberdade. A liberdade, em primeiro lugar, é uma conquista de Cristo para nós, envolvendo uma série de benefícios, gratuitamente ofertados e aceitos pela fé.

Liberdade não significa fazer o que se quer, mas sim fazer as escolhas de acordo com meu amor e serviço a Cristo. Ele, que é Deus, se submeteu ao Pai, por causa do amor a nós. Somos livres para amar. Somos livres para servir. Somos livres para adorar.. Podemos escolher a igreja na qual queremos congregar, mas essa liberdade não significa que deixar de congregar. A maior vantagem de nossa liberdade em Cristo é que não precisamos mais depender de nossos próprios esforços e atos para salvação. Livres do pecado, pela graça de Deus, estamos desembaraçados para servir nosso Senhor e Salvador.

E os seus discípulos, aproximando-se, o despertaram, dizendo: Senhor, salva-nos! que perecemos. E ele disse-lhes: Por que temeis, homens de pouca fé? Então, levantando-se, repreendeu os ventos e o mar, e seguiu-se uma grande bonança (Mateus 8:25-26).

A revelação de que Jesus é o Cristo de Deus é feita pelo próprio Deus aos homens e faz com que eles se liguem ao reino dos céus - quando se arrependem dos seus pecados e aceitam a Jesus - ou se desliguem do reino dos céus - quando não aceitam a verdade expressa em Cristo Jesus.

Quem quer seguir sempre a Jesus precisa manter-se em Sua palavra e não deixar que suas fraquezas criem um bloqueio à comunhão com o Senhor. No arrependimento e na obediência à Palavra estamos livres e recebemos a paz e os seus benefícios decorrentes.

Jesus dizia, pois, aos judeus que criam nele: Se vós permanecerdes na minha palavra, verdadeiramente sereis meus discípulos; E conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará (João 8:31-32).

Para finalizar preciso dizer que o Reino de Deus é tomado por esforço e só os valentes tomam posse dele, isto quer dizer que os “crentes” indolentes, preguiçosos, e os acomodados ficam de fora, pois ficam na expectativa de sentir a fé, mas a fé não faz parte da alma e sim do espírito. A fé só se torna firme na Palavra de Deus, isto quer dizer que a fé não vem com sentimento, nem com emoções, menos ainda com a inteligência humana e que quem ficar esperando sentir para tomar atitude morrerá esperando.




Amém.
 

Pregação realizada em várias cidades.
Campanha: As sete chaves da Vitória.

segunda-feira, 5 de março de 2012

Pastor Gilberto Pratas: Derrotando Gigantes II

TEXTO BASE: APOCALIPSE 3:10

Todos os dias somos colocados a prova. Ser colocado a prova é necessário para que Deus saiba se pode ou não contar conosco. Embora Ele já conheça o nosso presente, passado e o nosso futuro e saiba de nossa real capacidade, essa prova é necessária para evitar que Satanás chegue até Ele alegando direitos sobre nossas vidas.

E nosso dever andarmos segundo os padrões de Deus sendo semelhantes ao Senhor Jesus que em tudo foi provado e aprovado. É verdade que essa semelhança foi danificada e distorcida pelo pecado. Mas Deus enviou seu Filho Amado para nos restaurar.

Em que somos semelhantes a Deus?

Em Justiça e Santidade, portanto nunca seremos iguais a Deus, mesmo porque nós somos de carne e osso e Deus é Espírito. Para Deus você é único, não existe ninguém igual a você! Você tem sua própria personalidade, distinta de outras pessoas. O que Cristo veio restaurar em você é o seu caráter e não a sua personalidade.

E como seres humanos passamos por situações que fogem do nosso controle. É nesta hora que devemos examinar as razões pelas quais estão ocorrendo, os porquês de nosso sofrimento.

Estas situações que fogem de nosso controle são provações e podem ter suas causas: no mundo; em Satanás; por permissão e controle de Deus; em nós mesmos.

Uma coisa eu posso alegar sem nenhum constrangimento: A maior parte de nossas provas são conseqüências de nossas atitudes impensadas e por não tomarmos o devido cuidado diante da Palavra de Deus.

Hoje quero falar sobre as provações causadas por nós mesmos. Esse é com toda certeza o maior gigante a ser batido; o mais temível, o mais difícil de ser morto. Porém a Palavra de Deus nos garante: Somos mais que vencedores em Cristo Jesus.

Embora a Palavra de Deus nos garanta sermos mais que vencedores em Cristo Jesus, de uma coisa não podemos esquecer jamais: somos maus em nós mesmos e jamais seremos salvos por fazermos coisas boas (mesmo porque fazer o bem é nossa obrigação). Por isso todos os dias temos de vencer nossa natureza pecaminosa, temos de matar o nosso eu para que possamos dizer: Não vivo eu, mas Cristo vive em mim.

Não sei qual é o seu sonho? Seu desejo? Suas necessidades? Qual é a meta que você pretende atingir nesta vida? Eu não sei o que você esta passando? Qual a circunstância em sua vida o aflige? Talvez você tenha sido chamado de Louco! Teve de lidar com o sarcasmo! Teve frustrações, enfim não importa a circunstância que você está vivendo hoje, uma coisa é certa: Deus te criou com espírito de vencedor!

Ele quer trabalhar em sua vida, permita que Ele faça isso, permita que Ele faça uma transformação poderosa tornando-o em uma nova criatura e você possa então pensar e agir como um vencedor. Deixe-o agir na sua vida e você venha vencer as marcas da carne. Lembre-se que o Encardido tenta marcar a vidas das pessoas com traumas, fracassos e maldições. Vamos então vencer todas as marcas da carne em nossa vida. Vamos derrotar gigantes!

● Derrotando o gigante da insegurança. Quem não se sente inseguro? Todos nós temos uma área de nossa vida onde a insegurança predomina. Grandes homens da Bíblia (Elias, Abraão e outros) mostraram insegurança. Mas nesta noite o gigante da insegurança tem de cair por terra. Fique de Pé, coloque sua mão direita sobre o seu coração e repita comigo: Hoje eu quebro toda insegurança que possa haver em minha vida em O Nome de Jesus.

● Derrotando o gigante do Eu. Como falamos no inicio esse é o maior gigante a ser derrotado, é o gigante do eu posso, eu sou, eu tenho, eu mando, eu faço, eu desfaço, etc. Vamos colocar por terra nesta noite esse gigante. Fique de Pé, coloque sua mão direita sobre o seu coração e repita comigo: Hoje eu quebro toda arrogância da carne, toda soberba, toda falta de humildade e declaro que serei dirigido somente pelo Espírito Santo de Deus, em O Nome de Jesus.

● Derrotando o gigante da incredulidade. Todos nós temos um pouco de incredulidade. Onde existir incredulidade as bênçãos não podem chegar. Vamos nesta noite colocar por terra o gigante da incredulidade. Fique de Pé, coloque sua mão direita sobre o seu coração e repita comigo: Eu rejeito toda incredulidade na minha vida, declaro que creio e vou viver a promessa.

Amado em Cristo Jesus, hoje Deus está colocando a sua frente uma oportunidade. A experiência me garante que ninguém consegue algo importante se não aproveitar as oportunidades que aparecem em sua vida. Você pode estar pensando: como eu vou aproveitar as oportunidades? Eu poderia dar como exemplo Cristo, mas Ele é o exemplo para tudo, então digo a você que pense igual a Davi!

- Não permita que sua idade o detenha. Você não é novo demais, nem velho demais para ir a luta. A sua idade é a idade perfeita para isso.
- Visualize a vitória antes da batalha. Você tem um espírito de vencedor, você é um vencedor.
- Seu propósito deve ser maior. Davi disse que todos saberão que existe um Deus em Israel. Você dirá: todos saberão que existe um Deus Vivo.
- Não enfraqueça diante das dificuldades. Muito pelo contrário, as dificuldades é que devem enfraquecer diante de você, pois quem teme ser vencido tem a certeza da derrota.


Amém.

 
Pregação realiza na 17ª IEQ
Cascavel, 01.03.2012

quinta-feira, 9 de fevereiro de 2012

Pastor Gilberto Pratas: Adoração

TEXTO BASE: JOÃO 4

O que é adoração?

Em nossos dias as pessoas pensam que existem muitas maneiras de adorar e neste contexto classificam a adoração desde a tradicional até a mais moderna, da informal a formal, da carismática a enfadonha e tal classificação são muitas vezes avalizadas pelos responsáveis da Igreja. Tal gama de conceitos tem posto em desvirtuado o verdadeiro significado da palavra adoração. Neste breve estudo queremos deixar claro o que vem a ser adoração, independente da forma em que ela seja feita.
 
Podemos dizer que adoração é uma honra que se presta a Deus. Adorar significa prostrar-se, baixar-se, inclinar-se, como quando alguém se inclina em homenagem diante de um rei ou uma divindade.

Mas a hora vem, e agora é, em que os verdadeiros adoradores adorarão o Pai em espírito e em verdade; porque o Pai procura a tais que assim O adorem. Deus é Espírito, e importa que os que O adoram, O adorem em espírito e verdade. (Jo 4.23,24).

O verdadeiro caráter da adoração cristã não é um ritual, ou uma formalidade cerimonial. A adoração trata-se de uma harmonia com o um Deus que foi completamente revelado em Cristo Jesus. A adoração é algo que somente pode ser realizado por meio daqueles que nasceram de novo e receberam a nova vida, que a Bíblia chama Espírito.

O que é nascido da carne é carne, e o que é nascido do Espírito é espírito. (Jo 3.6; Rm 8.16).

Ao olharmos para Jo 4:23-24 vemos que Deus procura pessoas que o adorem em espírito e em verdade. Isso nos leva a deduzir que existem dois tipos de adoração: em espírito e em verdade. Porém essa adoração é única, uma vez que andam sempre juntas. Jesus falou para a mulher samaritana que os verdadeiros adoradores adoram ao Pai em espírito e em verdade. A adoração em espírito é segundo o novo homem, e está em harmonia com o que Deus é.  A adoração espiritual deve ser acompanhada de uma vida repleta de pureza e que produz os frutos do Espírito.  Verdadeiros adoradores adoram o Pai em espírito, isto é, os verdadeiros servos servirão ao Pai com o interior da alma, isto é, por vontade própria e sem produzir aparências inúteis.

A adoração em espírito vai muito além de um cântico bem cantado, ou de uma aparência de santidade, ou mesmo uma concordância em observar as regras para a vida, ou um sentimento de bem estar. A adoração em espírito é um estilo de vida para com Deus, que deseja ser conforme o Seu Filho. Esse estilo de vida espiritual resulta em uma apresentação dos nossos corpos em sacrifício vivo para expressar pública e continuamente uma vida santa e agradável a Deus.

Adorar a Deus em verdade e servir ao Pai sem falsidade, sem hipocrisia e de coração puro, isto é, por entendimento e convicção e não por obrigatoriedade desta ou daquela tradição.

O homem, mesmo nascido de novo, apresenta duas naturezas (uma pecaminosa e uma santa). A influência que a natureza pecaminosa (carne) exerce no crente precisa ser sempre lembrada e combatida. Se não bastasse ao cristão ter uma luta contínua interior entre essas duas naturezas, temos ainda um inimigo exterior astuto, cheio de ardis, incansável, que arma lutas espirituais contra eles. Por isso, precisamos de um alicerce forte, que possa nos restabelecer nos conflitos espirituais. Esse alicerce é a Palavra de Deus que fornece o  equilíbrio que o cristão precisa.

A Palavra de Deus leva o cristão à imagem de Cristo para poder adorar em verdade. O cristão que adora em verdade conforma-se com Cristo, pois Cristo é a própria Verdade. A Palavra de Deus transforma-nos segundo a verdade que é Cristo Jesus.

Adorar é, como já falamos, um Tributo a Deus feito por pessoas simples de forma simples e sincera brotadas de sua alma, revelando a natureza de Cristo em sua vida. Por isso o homem natural, pecador não salvo, não pode adorar o Senhor verdadeiramente porque ele é morto espiritualmente.

Foi isso que Deus disse a Adão e a Eva no Jardim do Éden, se eles comessem do fruto proibido: eles morreriam espiritualmente, eles morreriam para Deus. Esta é a morte espiritual. Adão morreu espiritualmente e os filhos naturais de Adão são mortos para com as coisas de Deus. Portanto, diante de Deus, o pecador é filho da desobediência, inimigo de Deus e separado de Deus. O pecador vive segundo a sua natureza pecaminosa, se corrompe pelas concupiscências, ou os desejos carnais. Isso implica que o homem natural é corrompido esta separado de Deus, não agrada a Deus, pois não habita bem algum na carne.

Mesmo que o homem natural aparente bondade, se vista com religião e moralize suas ações diante dos homens, ainda assim não agrada Deus por não ser espiritual. Para exemplificar isso podemos citar um exemplo dado por Cristo em Mateus 21:17-19 que diz:

E, deixando-os, saiu da cidade para Betânia, e ali passou a noite, de manhã, voltando para a cidade, teve fome; E, avistando uma figueira perto do caminho, dirigiu-se a ela, e não achou nela senão folhas. E disse-lhe: Nunca mais nasça fruto de ti! E a figueira secou imediatamente.

A Palavra de Deus em cada passagem sempre quer nos ensinar algo em suas entrelinhas (pano de fundo) e nesta passagem também existe um ensinamento mais profundo do que o simples milagre. Jesus teve fome, e ao avistar a figueira com folhas (normalmente ela não apresenta folhas) indicava que ela tinha frutos (a figueira quando apresenta folhas é por que ela esta dando frutos) e ao chegar lá Ele não encontrou nenhum fruto, isto é, a figueira não era aquilo que ela aparentava ser. Por isso é que ela foi amaldiçoada por aparentar ser o que não era. É isso que nesta passagem Cristo quer nos ensinar: ser aquilo que realmente somos e não aparentar o que não somos.

Portanto, não é pelo que aparentamos nem pela obediência cega que faremos a vontade do Pai. O verdadeiro adorador segue a orientação de Deus buscando uma conduta pura e irrepreensível independentemente dos costumes desta ou daquela Denominação.

Nunca podemos agir contrário aos ensinamentos de Cristo. Nossa adoração deve ser em espírito e em verdade, e Cristo é a verdade. Tudo que agrada a Deus deve ser em conformidade com Seu Filho. O verdadeiro cristão não se preocupa em produzir aparências. Veja os ensinamentos de Jesus Cristo: quando deres esmola, não saiba a tua mão esquerda o que faz a direita; quando orardes, não sejais como os hipócritas; orando, não useis de vãs repetições; não almejais os primeiros lugares; não julgueis; etc...

O verdadeiro cristão não se preocupa em julgar, pois ele foi criado para adorar e não julgar mesmo porque  não temos a capacidade e a legitimidade de julgar e condenar esta ou aquela pessoa por não possuir a aparência cristã que nós esperávamos. É comum no meio cristão as pessoas julgarem quem vai para o céu e quem vai para o inferno, baseados na mera aparência externa. Não podemos esquecer que é pelo fruto que se conhece uma árvore, e não pela sua aparência.

Quais as atitudes de um verdadeiro adorador?

Um adorador verdadeiro é fiel a Deus em toda e qualquer circunstância. Em alegria e agradecimento como Ana mãe de Samuel; No perigo, como Sadraque, Mesaque e abede-Nego; Nas perseguições, como Daniel. Na necessidade, como Habacuque; Nas dificuldades, como Paulo.

Para o verdadeiro adorador não existe lugar predeterminado para adorar, não existe circunstância, não existe momento, não existe condição, o verdadeiro adorador tem sua vida em completa adoração a Deus. Onde quer que esteja estará em adoração, na tempestade, no deserto, na dor, na angústia, na tribulação, na perseguição... Em quaisquer circunstâncias, estará permanentemente sendo fiel ao Senhor, seu coração jamais se apartará da adoração a Deus. Não depende de instrumentos de sopro, de corda, de percussão, de teclas,... O verdadeiro adorador adora a Deus com o seu corpo com o seu coração, com o seu entendimento, com a sua alma.

O verdadeiro adorador não depende de música ou de uma multidão, mas adora até em silêncio, sozinho. O verdadeiro adorador adora em espírito e em verdade.

Quem são os verdadeiros adoradores?

● Os Verdadeiros Adoradores são Aqueles que Conhecem a Deus e são Conhecidos por Deus.
● Os Verdadeiros Adoradores Adoram em Espírito e Em Verdade.
● Os verdadeiros adoradores tem uma vida de oração.
● Um verdadeiro adorador tem uma vida de testemunho que alegra ao Senhor.
● Os verdadeiros adoradores tocam o coração de Deus com sua adoração.
● Um verdadeiro adorador é conhecedor da palavra do Senhor.
● Um verdadeiro adorador sempre busca a excelência na adoração.
● Os verdadeiros adoradores abandonam o pecado.
● Os verdadeiros adoradores amam.
● O verdadeiro adorador nunca sai da presença de Deus do jeito que entrou.
● O verdadeiro adorador crê em Cristo Jesus de todo o seu coração. O leproso curado por Jesus não perguntou se Jesus podia curá-lo. Isso já estava resolvido em seu coração. Ele sabia que Jesus podia curá-lo (ele só não sabia se Jesus queria curá-lo).
● O verdadeiro adorador é humilde. O leproso não chegou exigindo nada. Colocou-se na absoluta dependência da vontade de Jesus: Se quiseres, bem podes tornar-me limpo!
● O verdadeiro adorador não consegue ficar calado. Mesmo Jesus tendo instruído o leproso a não falar nada do milagre (pois, naquele momento do seu ministério, Jesus não queria este tipo de divulgação), ele não conseguiu se segurar.
● Ser um verdadeiro adorador é colocar Deus a cima de todas as coisas, colocar Deus a cima de nossas cabeças. Como o segundo mandamento é semelhante ao primeiro, precisamos colocar o próximo acima de nossas cabeças. Exemplos: - perdoar aqueles que nos trai. - tratar com carinho aqueles que nos ofende. - amar aos nossos inimigos.
● Adorar desejando estar no centro da vontade de Deus. Estar no centro da vontade de Deus é declarar que Ele tem controle total de sua vida e que estamos dispostos a ser quebrado a cada dia, reconhecendo a necessidade de ser guiado pelo Santo Espírito de Deus. Como o vaso, que ele fazia de barro, se quebrou na mão do oleiro, tornou a fazer dele outro vaso, conforme o que pareceu bem aos olhos fazer (Jeremias 18,4).
● Não desejar Glória para si e nem posição de destaque. O único que deve brilhar é a Estrela de Davi (Jesus Cristo). Faz das palavras de João Batista as suas: È necessário que Ele cresça e que eu diminua(João 3:30)".
● Um verdadeiro adorador reconhece a Grandeza e a Soberania de Deus, percebendo assim o quanto são dependentes D’Ele.

O Chamado e a Revelação de Deus são Pessoais. Deus procura aqueles que o adorem desta maneira: em espírito e em verdade. Na Conversa com a mulher samaritana Jesus se revela para aquela mulher como a água viva. Ela não entende nada, mas pede que Ele lhe dê dessa água para que não precise mais buscá-la. Ela não vê a parte espiritual está preocupada apenas com o material.

Mas é desejo de Cristo se revelar para ela, é preciso que ela entenda e para isso Ele toca na sua vida pessoal: Vai, chama teu marido e vem aqui. Com isso ele confronta o coração daquela pecadora. As verdades de Deus são maravilhosas, mas se elas não passarem de simples palavras se não tocarem o nosso coração.

Cristo foi no ponto crucial: confrontou a vida de pecado daquela mulher. Ele mostrou a necessidade dela de um Salvador. Jesus não estava julgando ela por seus pecados. O maior problema dessa mulher não era a prostituição em sua vida. Jesus em nenhum momento falou que se a mulher deixasse a sua vida de prostituição tudo ficaria bem. Cristo estava se revelando a ela. Era necessário que ela sofresse uma mudança interna – em seu coração.

É o coração que deve ser mudado e não apenas o exterior, porque é dele que procede as fontes da vida (Pv 4:23). É o coração que é enganoso e desesperadamente corrupto (Jr 17:9). E é dele que procedem todos os pecados exteriores e interiores dos seres humanos (Mt 15:9 e Mc 7:21).

O que fazemos revela o que somos.

Nossos atos revelam o nosso interior. O que fazemos exteriormente expõe o estado do nosso coração.

Quem subirá ao monte do Senhor, ou quem estará no seu lugar santo? Aquele que é limpo de mãos e puro de coração, que não entrega a sua alma à vaidade, nem jura enganosamente, Este receberá a bênção do Senhor e a justiça do Deus da sua salvação. Esta é a geração daqueles que buscam, daqueles que buscam a tua face, ó Deus de Jacob (Sl 24:3-6).

A religiosidade do engano.

Ser religioso nos leva a acreditar que podemos enganar a Deus. Quando enganamos alguém com mentiras, não estamos mentindo somente para esta pessoa estamos mentindo para Deus. Para os fariseus religiosos da época era, e mesmo hoje, a tendência da religião é julgar apenas os pecados exteriores. Mas não é assim com o nosso Senhor.

O propósito é que não sejamos mais como crianças, levados de um lado para o outro pelas ondas, nem jogados para cá e para lá por todo vento de doutrina e pela astúcia e esperteza de homens que induzem ao erro (Efésios 4:14).

Ele quer se revelar a nós e desvendar o nosso interior para nós mesmos. Ele deseja prosseguir nessa revelação. Ele tem muito para nos mostrar! Seu propósito e missão é fazer-nos adoradores do Pai. Mas, o prosseguimento do Seu trabalho em nós vai depender da nossa resposta à Sua revelação inicial.


Amém.


Estudo realizado com o corpo diaconal da 17ª IEQ Cascavel
Cascavel-Pr.05.02.2012